Matrículas Abertas, Vagas Limitadas Lançado em São Paulo

« Emocionante, tocante, surreal e maravilhoso. Muito significativo. A semente vai dar muitos frutos. » Assim o diretor da APACESP(Associação dos Produtores e Agentes Culturais de SP), Josane Peer, resumiu o lançamento do filme « Matrículas Abertas, Vagas Limitadas », realizado no Instituto Cultural Galeria do Rock, SP na noite da última sexta-feira. Ele parabenizou a produtora Deléia Vasconcelos, que ouviu também a saudação do senador Eduardo Suplicy, que desejou sucesso ao projeto« importante para a defesa da diversidade e dos direitos humanos ». O lançamento, que possibilita a participação em festivais e salas de cinema, conta com apoio da Petrobras e Ministério da Cultura.
« O maior pecado é a ignorância » Budha
Seria possível reunir setenta profissionais de diversas origens, entre árabes, judeus, franceses, brasileiros, africanos, chilenos, argentinos, alemães, russos, e até um basco, para realizar longa metragem sobre tema ainda delicado em muitas culturas, a diversidade sexual e a revolução de comportamento dos anos noventa? Após sete anos entre a concepção no Brasil de 2003 e a montagem final em Paris de 2010, a obra nasce.
      “Matrículas Abertas, Vagas Limitadas”, roteiro e direção de W. T. Tede,  é um filme com a participação de 70 atores, músicos e técnicos de diversas nacionalidades (Brasil, França, Chile, Rússia, Alemanha, Israel, Tunísia, Argentina), a partir de São Paulo. Tem como tema central a revolução da diversidade sexual.
        O filme não apresenta ponto de vista de güetos ou de grupos e, de forma divertida e esclarecedora, mostra a evolução do comportamento sexual  a partir da visão de personagens heterossexuais e com depoimentos de personalidades como Camille Cabral, fundadora do PASTT, associação de transexuais da França, e a participação do jornalista e ator Leão Lobo. Ficção sobre um fundo de documentário, o fime conta com apoteose na cena final e uma trilha sonora cantada com versos em inglês, russo, árabe, hebreu e francês. Da música tema (« Love is multicoloured ») à edição de imagens com jogo de filtros e cores diferentes, que acompanham o estado de espírito dos personagens, a obra é uma ode audio-visual à diversidade em todos os sentidos.
Finalizado em Paris, França, o filme recebeu os seguintes comentários de personalidades : « Felicitações pela iniciativa, plena de fraternidade, generosidade e engajamento solidário. » Carla Bruni Sarkosy, cantora e embaixadora do Fundo Mundial de Luta Contra a AIDS. « Assisti com muito interesse, é lição contra o absurdo da intolerância”. » Pierre Kalfon, jornalista, cineasta e autor de « Che Guevara, uma lenda do século XX » . « Nem caricatura banal nem erotismo barato, vai surpreender ingênuos, aborda questões de subdesenvolvimento, desemprego, família…  » Charles Molènes, autor de « A Europa de Strasbourg »
A produtora Deléia Vasconcelos fala sobre o trabalho.
       Qual a atualidade de « Matrículas Abertas »?
   A pena de morte ainda existe na Africa em questões de comportamento, pessoas são agredidas por suposta relação homoafetiva em plena São Paulo do século XXI, um jovem se suicida nos EUA porque um colega o filmou com outro rapaz, uma garota é morta no entorno do DF por homofobia. A mensagem de « Matrículas Abertas » pode ser o antídoto para tais tragédias. Quem ver, vai comprovar. E esperamos que no futuro ele seja lembrado apenas como registro de uma época de mudanças de comportamento.
Como será o lançamento ?
O trabalho foi selecionado pela Petrobras para apoio à reprodução em DVD. Ao mesmo tempo o filme participa de diversos festivais e contatos para distribuição em salas. Pelo tema, pela abordagem, pela riqueza do roteiro, situações e interpretações, e pela apoteose final, é uma obra para ser assistida em cinema mas também em casa, salas comunitárias, associações, etc.
Como foi abordar o tema, polêmico em outras iniciativas?
A produtora do dvd é evangélica, o principal ator é católico, o diretor é agnóstico, outro ator é umbandista, outro é espírita, a obra foi realizada a partir de SP e conta com a participação de diversas nacionalidades, incluindo judeus, muçulmanos e até um basco. Diante de polêmicas em torno de questões de comportamento, chegou a hora de todos assistirem « Matrículas Abertas, Vagas Limitadas ». Trata da diversidade de um ponto de vista sem preconceitos ou visão de güetos, procura expôr a questão com a complexidade com a qual ela deve ser tratada, longe da caricatura ou do erotismo. Com certeza vai mudar a percepção e elevar a dimensão do debate, pois como lembra citação de Budha no início do filme : « O maior pecado é a ignorância. » As pessoas não devem se alinhar com fundamentalistas ou obscurantistas, mas buscar a verdade que, ao final, é o objetivo de toda doutrina, filosofia ou vida que se preze. 

Legenda da foto: 
A produtora Deléia Vasconcelos, os atores Nicanor Jacinto, Rhayfer, Josane Peer, Francisco Silva, Jorge Marcelo, o diretor Valdimir Modesto e outros.

Anúncios