Meu filho não quer comer! – Vida de Mulher

É a preocupação de várias mamães na fase de transição de peito/mamadeira para outras comidinhas, sendo que algumas crianças maiores também apresentam inapetência. 

No meu caso o mais difícil foi lidar com o Claudinho, meu filho do meio. Foi o filho que mais mamou no peito e o que deu mais trabalho pra gostar da nova alimentação. Só obtive êxito, quando o leite secou a base de medicamentos, quando ele já tinha 2 anos.

Em primeiro lugar, deve ser descartado se a criança está passando por algum problema de saúde. O pediatra pode até prescrever alguns exames para tirar dúvidas. Mas se não é esse o problema, alguns pontos devem ser analisados.

Nessa fase de transição, em primeiro lugar deve se ter muita paciência com a criança. É dificil começar a se acostumar com outros tipos de comida, outras texturas e gostos. 

Algumas mães caem na tentação de dar uma guloseima ou peito ou a mamadeira quando a criança não come. Fazendo isso, acaba condicionando a criança a não comer o novo e sempre optar pelo velho. Lembre-se que a criança é muito esperta, assim como na birra ela aprende que fazendo show consegue o que quer, na alimentação vai aprender que se negar a papinha, vai ganhar peitinho rs.

Outro erro comum é oferecer comida a mais. Lembre-se que o estômago do bebê e da criança são pequenos (o do bebê é geralmente o tamanho do seu punho fechado). Não ofereça além da conta.

Na hora da refeição eu costumo dizer aqui em casa que é o horário sagrado, onde toda ou boa parte da família se reúne à mesa não só para se alimentar mas também para “comungar”. Se o bebê já consegue segurar sozinho a colher, deixe ele se virar na cadeirinha, vai ter alimentos que ele vai pegar com a mão, é normal. Vai fazer bagunça? Lógico, mas ele começa a partir daí a ter noção de que faz parte da família na hora da refeição. Se ele ainda não segura a colher e você vai alimenta-lo, desligue a TV, abaixe bem o volume do rádio e relaxe. A criança percebe quando a mãe está nervosa ou com pressa e isso pode refletir na hora da comida.

Um outro fato também é a monotonia alimentar. Por ser mais prático, muitas mães acabam fazendo as sopinhas pra semana toda. E nesta fase é muito importante a criança sentir prazer no paladar e também no que ela vê no prato. Se uma criança tem um paladar mais doce, vai gostar de sopinhas a base de beterraba, mandioquinha… conforme vai testando a variedade, vai descobrindo o gosto da criança. 



Abrindo um parênteses aqui, quando meu filho mais velho estava bem habituado à comidinha de sal mas por nada nesse mundo ele comia verdura e legumes. Era colocar no prato, ele não tocava; se colocava na boca, jogava fora. Durante algumas semanas na casa da minha mãe, na época meu irmão caçula tinha 8 anos e o Pedrinho imitava a maioria das coisas que o tio fazia. Ele passou a ver meu irmão comendo salada e frutas e começou a comer também. Nem preciso dizer que quando os meus outros filhos passaram por essa transição não tive grandes problemas. O “problema” que eu tenho hoje é que eles só almoçam se tiver salada.

Na internet eu encontrei várias sugestões de como montar um pratinho mais agradável para seu bebê, vale a pena conferir:


Mas seja persistente, é uma fase e como todas as outras ela vai passar.

Olha, que beleza… vidrado na costela rsrsrsrsrs

Esse é bom de garfo!

Olha esse sorriso!
Até a próxima!!!

Dicas para essa coluna, preencha esse formulário. Obrigada! 
Anúncios