Cesariana ou Normal? – Vida de Mulher

Jac na maternidade algumas horas após o nascimento do João
Pois é… passaram-se os meses da gestação. A barriga crescendo, você alisando e imaginando a carinha do bebê. Arruma o quartinho, arruma a malinha e espera.

O que é fato para todas as mulheres é a parte chata da gravidez: a dor do parto. Acredito que não exista uma mulher que não tenha pensado nela sem sentir um calafrio. E o medo dela é normal. Mas, e aí? Será parto normal ou cesariana?

Muitas optam (e combinam com o médico) pela cesariana. É cômodo escolher o dia, a hora. Não vai passar pela cor do parto mas passará pelas dores da recuperação, afinal é uma cirurgia. Outras vão ter seu bebê pelo parto normal, parto que é o mais indicado e defendido pela maioria dos médicos.

Eu passei pela cesariana na primeira gravidez por ter tido pré-eclampsia. A verdade é que eu odiei a cesariana na recuperação. Lembro-me até hoje da hora que levantei da cama e senti como se todo o peso do meu corpo estivesse sobre a marca da cesariana. Tive complicações, dois meses depois uma parte dos pontos abriram e tive que refazê-los. Não tive uma boa experiência com ela.

Passei pelo parto normal duas vezes. Lógico que doeu, e que dor. Mas não é nada de anormal como já vi muitas mulheres falarem. E também é muito diferente do que passa em novelas em filmes, a dor não é constante. Quando se está em trabalho de parto, cada vez que a contração vem a dor vem junto, dura alguns segundos e passa. Ela só muda de intensidade e velocidade quando o bebê está nascendo.

O que eu percebi também é que meus filhos que nasceram de parto normal mamaram melhor que o que nasceu de cesariana (esse mal mamou porque meu leite secou); e meu corpo voltou à antiga forma muito mais rápido que na cesariana.

João Marcos Bagistério Bueno


Sempre defendo entre minhas amigas o parto normal. Se eu tivesse mais um filho com certeza nasceria de parto normal. Aliás, acredito que ele nasceria de parto natural mas isso fico para o próximo post!

Sugestões de matérias para essa coluna? Clique aqui e envie!